Tag EDI

iBOLT na Vida Real de um Projeto CIGAM – Episódio 02: “Conectando o CIGAM com a nuvem”

Manoel Frederico

Computação em nuvem é o tema do momento. Nuvem = internet, e de forma resumida, estar na nuvem significa ter informações e aplicações da empresa na internet. E isso é bom, a despeito de todos os detalhes que envolvem o processo. Estar na nuvem dá mobilidade e acessibilidade à empresa, o que resulta em melhor competitividade, quesito muito importante para o objetivo final: lucro.

O iBOLT é a ferramenta ideal para conectar o CIGAM à nuvem. Vamos abordar então, a primeira das duas vias desta conexão: levar.

Vamos considerar uma situação bastante comum, envolvendo “a nuvem” e as empresas: e-Commerce.

 

Sites e portais conectam a empresa aos seus fornecedores e consumidores (através da internet = nuvem), em busca dos resultados mencionados acima.

Considerando como exemplo de um portal de venda, surge a primeira necessidade: os dados do CIGAM precisam estar disponíveis à nuvem:

 

Usando-se os recursos visuais, assistentes (componentes) exclusivos e eficiente paradigma de desenvolvimento, o iBOLT pode disponibilizar qualquer informação do CIGAM para quem necessitar:

 

Com uma vasta biblioteca de componentes:

 

É possível, por exemplo, disponibilizar seu cadastro de clientes, relação de faturas em aberto, lista de preços, enfim, toda e qualquer informação do sistema CIGAM pode ser acessada na nuvem através do iBOLT, conforme as suas regras de formatação e segurança:

 

E com um diferencial: o iBOLT compartilha da mesma tecnologia utilizada no CIGAM e é o único ESB capaz de integrar-se 100% com as suas regras de negócio.

A nuvem está aí, e o CIGAM está preparado. Dê este passo, e leve a sua empresa a alçar novos vôos.

 

Manoel Frederico da Silva
Product Manager & MAGIC Evangelist / Magic Software Brasil

iBOLT na Vida Real de um Projeto CIGAM – Episódio 01: EDI

 

Manoel Frederico

Neste post anterior, foi abordado um tema bastante comum no dia-a-dia operacional das empresas: EDI.

Embora se fale muito hoje em novos padrões para troca eletrônica de informações (xml por exemplo), o grande volume ainda é baseado em arquivos texto (TXT). Vide o exemplo dos bancos (CNAB).

A troca eletrônica de informações pode ser necessária entre a empresa e seus clientes, fornecedores, parceiros, governo, mas também internamente entre diferentes sistemas que possam existir.

Vamos então focar neste último cenário. Imaginemos esta situação hipotética:

A empresa possui diferentes sistemas, entre eles um de Folha de Pagamento (FOPAG) e o CIGAM Contábil (CTB). A necessidade é fazer com que as informações geradas no FOPAG sejam transferidas para o CTB de uma forma mais ágil e eficiente do que a existente atualmente: digitação.

Entra em campo então o ESB. Em nosso caso, o iBOLT. A tarefa é ter um projeto (sistema) encarregado de buscar as informações geradas no FOPAG e colocá-las dentro do CTB.

Não é corriqueiro encontrar nesses sistemas, facilitadores (interfaces) para exportação e importação de dados. Vejamos então o que temos disponível (à mão):

  • FOPAG não exporta dados para outros sistemas (ou pelo menos para o que precisamos aqui), mas ele gera diversos relatórios, e tem a opção de gerá-los em arquivos eletrônicos (TXT neste exemplo).
  • CTB tem rotina para importação de dados externos via arquivo “TXT”. O layOut disponibilizado pelo CTB para importar movimentos contábeis é:  1;2;3;4;5;6;7;8;”9”

1 = Uma informação fixa (constante) de relevância apenas para o CTB (C = Lcto Contábil)

2 = Código da empresa empregadora/unidade de negócio

3 = Nro do documento (opcional)

4 = Data do lançamento

5 = Conta para DEBITO

6 = Conta para CREDITO

7 = Valor do lançamento

8 = Código do histórico do lançamento

9 = Complemento do histórico do lançamento

 

Estamos falando então de pegar um relatório assim:

 

E transformá-lo em um arquivo assim:

NOTA: Todos os nomes e informações contidos neste exemplo são meramente fictícios

 

Difícil? Não para o iBOLT. Veja um resumo do processo:

 

Esta tarefa pode ser completada por um projeto iBOLT de apenas três fluxos de integração.

Um que lê o relatório gerado pelo FOPAG e cria o arquivo (EDI) necessário ao CTB:

 

Outro que analisa o conteúdo do relatório, extrai as informações relevantes, e formata-as de acordo com as regras exigidas pelo CTB:

 

Outro que converte os códigos do sistema FOPAG para o sistema CTB:

 

Neste endereço, você pode baixar o projeto iBOLT (3.2sp2a) que realiza a tarefa acima.

Para executá-lo, basta seguir estes passos:

1)      Instale o iBolt 3.2 sp2a.

2)      Certifique-se de ter uma licença iBolt Studio (IBNPSTD) e iBolt Server Não Produção (IBNPSRV) válidas (não vencidas) no arquivo ‘License.dat’ na pasta do iBOLT

3)      Baixe o projeto e descompacte a pasta ‘EDIFolPagCIGAMCtb’ dentro da pasta ‘projects’ do iBOLT

4)      Abra o projeto (EDIFolPagCIGAMCtb.ibs) no iBolt Studio e faça um ‘build’ para criar os atalhos (start, stop e webMonitor) segundo as configurações de sua instalação

5)      Vá ao menu ‘Project -> Enviroment Variables’ e crie três variáveis de ambiente cfe. abaixo:

  • FOPAG_WATHCFOLDER %currentprojectdir%InFiles%sl%
  • FOPAG_PROCESSFOLDER %currentprojectdir%OutFiles%sl%
  • FOPAG_EDIFOLDER %currentprojectdir%EDIFiles%sl%

6)      Clique ‘OK’

7)      Abra o projeto no iBolt Monitor (pode fechá-lo no Studio se quiser), e use o atalho ‘start’ para colocar o projeto no ar.

8)      Na pasta ‘SampleFiles’ do projeto, há um arquivo de exemplo do FOPAG, chamado relatorio_folha_pagamento.txt

9)      Copie-o para a pasta ‘InFiles’. Em instantes, o arquivo será capturado pelo iBOLT e movido para a pasta ‘OutFiles’. É quando o processo tem início. Dentro de mais alguns instantes, o arquivo EDI (convertido) será gerado na pasta ‘EDIFiles’

Toda vez que for gerado o relatório de folha de pagamento (FOPAG) em arquivo, e salvo na pasta que está sendo monitorada pelo iBOLT, ele é capturado e convertido automaticamente.

 

Manoel Frederico da Silva
Product Manager & MAGIC Evangelist / Magic Software Brasil

 

EDI em tempo real com o CIGAM

Rodney Antonio Repullo
Rodney Antonio Repullo

Utilizar EDI com o ERP CIGAM pode envolver grandes quantidades de transformações de dados e uso de mensageria. Embora um projeto desse seja chamado de conversão EDI, tradução EDI, ou transformação EDI, os detalhes envolvidos em uma integração com um novo parceiro comercial podem ser muito trabalhoso e ao final acabar gerando mais trabalho aos usuários se não for considerado o aspecto de automatização.

O CIGAM possui uma grande variedade de EDIs, mas uma variação pode ser necessária e ser desenvolvida com auxilio do uniPaaS. Agora vela sempre a pena considerar a automatização com a utilização do iBOLT.

Com o iBOLT você pode orquestrar todo o processo de negócio e incorporar dados do EDI ao CIGAM, utilizando-o como um conversor de EDI ou simplesmente como uma ponte para chamada de um componente do sistema.

O EDI pode ser lido pelo iBOLT de forma automática, por exemplo monitorando um pasta de FTP ou um e-mail. De posse do EDI e utilizando o Data Maper (ver vídeo abaixo) o iBOLT pode transformar o EDI em formatos que permitam a comunicação com o CIGAM a partir da chamada de um componente uniPaaS que importa seus dados.

O iBOLT chama componentes do CIGAM em uniPaaS de forma nativa, respeitando assim as regras e lógicas existentes no sistema.

Para o EDI de saída, o iBOLT pode ler saídas do CIGAM ou ler diretamente do Banco de Dados produzindo em vários formatos, entre eles, arquivo XML e ASCII (TXT).

O iBOLT torna fácil para os usuários do ERP a integração do EDI com seus parceiros comerciais e suas aplicações sem necessidade de codificação, permitindo uma racionalização do processo de integração EDI.

A utilização do iBOLT para automatizar EDIs pode envolver processos como recepção de ordens de compra e alterações em ordens de compras geradas tanto pelo comprador quanto pelo fornecedor. Você também pode transacionar pedidos de entregas, instruções de rotas e notificações de entregas. Faturas, Ajustes de Crédito/Débito e Avisos de Remessa também podem ser tratados utilizando o EDI, dentro de um processo de negócios global. Para o planejamento da cadeia de suprimentos, uma atualização em tempo real da necessidade de produção é possível.

E há, obviamente, muito mais que pode ser orquestrado dessa maneira.

Empresa em tempo real e minimização de operações manuais = iBOLT+CIGAM

Rodney Antonio Repullo

CEO da Magic Software Brasil e GRUPO REPULLO